Google+ Followers

sábado, 24 de maio de 2014

RELATO DE UMA DEFICIENTE FÍSICA



Meu nome é L. sou  Deficiente.  Eu nasci assim, minha mãe teve complicações no parto com pressão alta e faltou oxigênio,  sofri anoxia. Minha mãe me mandou para    a escola  com 4 anos sem medo. Eu não tenho muitas complicações apenas não ando. Sou cadeirante. A  deficiência não me impediu de ser uma profissional. Sou Pedagoga me formei graças a acessibilidade garantida nas modalidades de ensino que passei. Passei num concurso publico pelo sistema de contas sofri muito para alcançar o sucesso. As barreiras que enfrento são as  arquitetônicas calçadas sem rebaixamento,  degraus,  mas o que deixa triste triste são as  as pessoas que não acreditam no meu potencial,  amigos de trabalho também são preconceituosos. Para trabalhar utilizo o transporte público na linha que utilizo tem ônibus acessível com elevador, ma demora para passar,  alguns motoristas não param. Sou  feliz e agora tenho outro desafio iniciei um Curso de Dança  Esportiva de Cadeira de Rodas. Depois conto como foi. Estou amando!

RELATO DE UM DEFICIENTE AUDITIVO



Meu nome é T. sou um Deficiente Auditivo.  Eu nasci assim meus pais demoraram para descobrir que eu não ouvia. Quem descobriu foi a professora da escola. Minha mãe me achava quieto eu brincava sozinho apontava para as coisas e minha mãe entendia tudo. Graças a Deus que fui para  a escola  com 4 anos. Aprendi a oralizar  mas preciso da libras, passei por um excelente trabalho de fono e consegui e a deficiência não me impediu de ser um profissional. Sou Pedagogo me formei graças a acessibilidade garantida nas modalidades de ensino que passei. Não foi preciso interprete pois consigo também fazer leitura labial.  Hoje trabalho como professor de Libras,  tenho uma agenda cheia atuo nas escola com alunos, em concursos públicos, eventos. É difícil mas não impossível de alcançar o sucesso. As barreiras que enfrento não são as  de Acessibilidade, mas as preconceituosas encontro as pessoas que  não acreditam no meu potencial alguns amigos de trabalho também demonstram atitudes preconceituosa. Para trabalhar utilizo o transporte público para chegar aos lugares como oralizo as pessoas me atendemmas  as vezes eu não os entendendo mas dou meu jeito. Casei com uma Deficiênciente Auditiva nas mesmas condições que eu, trabalhamos juntos, somos pessoas atuante na sociedade e nossos filhos ouve.

RELATO DE UMA DEFICIENTE VISUAL



Meu nome é M. sou uma Deficiente visual perdi minha visão quando use um colírio vencido. O colírio gerou uma infecção que perdeu o controle, ocorreu que eu tinha glaucoma  utilizava o colírio para o controle da doença e fatalmente hoje me encontro nesta situação. Mas a deficiência não me impediu de ser uma profissional. Sou Pedagoga  me forme graças a acessibilidade garantida nas modalidades de ensino que passei. Na  Universidade foi melhor  devido ter acesso ao sistema DOSVOX. Hoje trabalho na Educação Especial no AEE entrei pelo sistema de cotas,  atuo com  alunos com Deficiência Visual do qual me dou muito bem,  é difícil mas não impossível de alcançar o sucesso. As barreiras que enfrento não são as  arquitetônicas mas as barreira atitudinais, com ações preconceituosas,  encontro pessoas que não acreditam no meu potencial. Alguns amigos de trabalho também demonstram atitudes preconceituosa. A escola é accessível  utilizo o transporte público para chegar a escola realizo mapa mental dos espaços,  não desço em ponto errado pois memorizei a quantidade de lombadas que o ônibus passa  e quando aproxima eu chamo atenção do motorista. Agora fique famosa e as pessoas cuidam para que eu chegue em segurança na escola. Sou uma pessoa feliz e realizada, mas uma vez eu digo a deficiência não me impediu de ser uma pessoa atuante na sociedade. 
 

LÚDICO E CRIATIVIDADE



JOGO - Verdade ou Desafio

 
Objetivo: habilidade do aluno em se comunicar.

Regras: Com uma garrafa pet ou qualquer outro tipo. Você escolher um dos lados do que para rodar e colocar uma parte para perguntas e a outra pra faz-se uma roda e começa a rodar a “garrafa” e quando ela parar ela vai apontar pra duas pessoas: uma irá perguntar VERDADE OU DESAFIO, e a outra pessoa que a garrafa estiver apontando terá que escolher, se quer responder algo (não pode mentir nem deixar de responder), ou se cumprir o desafio (e também não pode deixar de fazer o desafio). Para o jogo ficar mais divertido pode limitar-se as escolhas de verdade ou desafio três, quatro vezes.


Desenvolvimento: Após explicar as regras, foi colocado sobre a mesa perucas, óculos, gravatas, chapéus, encharpes, etc. Nas vezes que escolhesse desafio teria que escolher algo para colocar. A professora preocupou-se em colocar itens para que todos ficassem fantasiados e no final, a professora colocou músicas para dançar. Já que a brincadeira não tem um vencedor, a brincadeira virou uma festa!
Avaliação: Como o objetivo foi à iniciativa comunicativa, os aluno escolhidos demandam de certa timidez dos quais falam pouco. A participação foi efetiva, os alunos se divertiram e o objetivo foi atingido.







Inclusão e Letramento



E. aluno com Deficiência Física

O aluno compreende a função da escrita e sua leitura é apoiada em figuras. Esta na hipótese de escrita pré-silábica unigráfica (usa a primeira letra do seu nome para escrever as palavras).  necessita de estratégias de ensino para elevar a autoestima e deste modo identificação de suas habilidades para assim proporcionar condições e possibilidades de ensino aprendizagem. 
 
 
 Sugere-se:


Ler textos de diferentes gêneros com apoio de figuras: (contos, parlendas, cantigas, receitas, entre outros). Pelo professor e pelo aluno;



Escrita: Utilizar a escrita como forma de registro e de acordo com o meio de comunicação dentro se sua hipótese;



Atividades individuais e coletivas (alfabeto móvel, fichas de leitura, jogos de associação, pareamento, e sobreposição)




















Currículo flexível



Abaixo analisamos   a rotina da sala de aula de maneira esquemática, considerando as áreas curriculares,  conteúdos, estratégias metodológicas, recursos utilizados, intervalos para o cumprimento de atividades físicas e culturais, hora de lanche, etc. Observação e anotamos as principais dificuldades do professor e do aluno observando no processo de ensino aprendizagem: 

Informações sobre o aluno
Idade:                 9                                      Série: 2º ano
Gênero: feminino (   )                                          masculino ( x )                
Características pessoais e de desenvolvimento do aluno:
H. é um garoto com Deficiência Intelectual, não oraliza, compreende comandos simples ( Ir em embora, sentar, comer), usa fraldas, dependente em suas necessidades básicas, não manifesta desejos, pedido de objeto ou contrariedade. Chora e usa de meios físicos para obter o que deseja. Parece gostar da escola e dos colegas.

Histórico escolar do aluno:
Começou a frequentar a escola no segundo semestre do ano 2012, com horário reduzido, não recebeu atendimento educacional  especializado, pois a escola estava sem recurso humano. A mãe disse não ter conseguido vaga anteriormente para o seu filho e os serviços terapêuticos  por várias vezes iniciados  não foram concluídos






Informações gerais da rotina na sala

1º dia: 03\06\ 2013

Atividades desenvolvidas:

  •   Leitura,
  • Alfabeto móvel 
  •   Escrita espontânea
  •  Caderno de apoio de Matemática


Principais dificuldades do aluno:
  • Ociosidade

Dificuldades do professor:
·       
  •  Preparar atividade adequada ao aluno



Aprendizagens acadêmicas que o aluno demonstra ter:
  • Parear cores e formas
  • Movimento de pinça para atividades de encaixe

2º. Dia: 04\06\2013

Atividades desenvolvidas:

  •  Leitura
  •  Alfabeto móvel
  • Escrita espontânea
  • Inglês ( Outro professor)
  • Caderno de apoio de Português   
Principais dificuldades do aluno:
  •   Atividade adequada ( o aluno estava segurando uma embalagem vazia sem contexto)
Dificuldades do professor:
  • A professora aguarda orientações do professor AEE.


Aprendizagens acadêmicas que o aluno demonstra ter:
  • Parear cores e formas
  • Movimento de pinça para atividades de encaixe




Conclusão: A escola está com defasagem de recurso humano do qual dificulta a In6clauo deste aluno, apresenta momentos  ociosidade.  A professora não flexibiliza o Currículo por falta de orientação.

quinta-feira, 22 de maio de 2014

Plano AEE e Registro dos Trabalhos Desenvolvidos


AVALIAÇÃO PEDAGÓGICA - 2013

I – DADOS PESSOAIS

Nome: xxxxxxxxx DN: 112/01/00

Escola: EMEB xxxxxxxx Série/Período: 4º ano

Mãe: G. J.e C. M.da Silva

II – MOTIVO DO ACOMPANHAMENTO

Segundo a professora o aluno não demonstra interesse em participar das atividades propostas e parece se desligar da realidade, envolvido em seus pensamentos como também apresenta momentos de agitação.


II-OBSERVAÇÕES GERAIS

F. compareceu a avaliação com seu pai que contribuiu com importantes informações a cerca de seu desenvolvimento. F. é uma criança agitada, faz uso de óculos com grau alto, segundo o pai o aluno apresenta Catarata, Estrabismo e Glaucoma, não trouxe laudos que especifique tal situação. Deste modo, na sessão foram ofertados para o aluno, objetos contrastantes, texto de fontes comuns e de ampliação, com uso de lupas e réguas leitoras, o aluno esquivou-se das tarefas de ler e escrever, não apresentou bom desempenho nos testes de percepção e de figura fundo. Sua habilidade manipulativa parece estar em desenvolvimento, não apresenta coordenação motora fina, fala fora de contexto, conclui ordens fora da seqüência. Devido parecer não enxergar com nitidez analisamos também acuidade visual (distância de um ponto a outro), campo visual (abrangência do foco do objeto) e uso eficiente do potencial da visão (aproveitamento do resíduo visual), não reconheceu figuras em tons claros e objetos pequenos, bem como não conseguiu descrever objetos médios com distancia maior de 2m, deste modo, imagens que apresentam grande quantidade de informação, não são observadas e o feedback visual pareceu ser reduzido.

VII – CONCLUSÃO
De acordo com dados obtidos, o aluno apresenta potencial de aprendizagem dentro de suas limitações, esta em defasagem considerando idade e o ano escolar que freqüenta. Assim necessita de adaptações curriculares e uso de material adaptado para auxiliar em suas potencialidades. Solicitamos à família laudos para entendermos melhor suas especificidades, como também olhar de outros profissionais.














DIVERSIDADE E ÉTICA NA ESCOLA




A Inclusão acontece de modo a garantir a educação de qualidade para todos. Em nossa escola há uma Sala de Apoio e os alunos aprendem a respeitar e conviver com a diferença. A cada aluno novo na condição de Deficiente, a  sala de origem com o respectivo professor recebe as orientações devidas. Claro que nem sempre ocorre o ideal, há momentos de descontrole emocional e às vez até falta de  profissionalismo por parte do educador.  De inicio é compreensível principalmente quando trata de um profissional recém chegado na unidade.
No entanto podemos considerar que o processo de inclusão em nossa unidade cresceu bastante além da sala, temos o selo de acessibilidade, conquistado com muito empenho pela gestão, todos os anos há aquisição de recursos adaptados e ofertas de capacitação.
Os alunos de modo geral são receptivos e solidários, os familiares também, as crianças com deficiências participam de todas as aulas. Todos se movimentam para que a inclusão ocorra e garanta com qualidade o ensino a todos.

Ensino Colaborativo






BREVE HISTÓRICO

R.  ingressou nesta U.E, neste ano, por encaminhamento do Conselho Tutelar.  Até o final do primeiro semestre morava com sua mãe, padrasto e irmãos, uma família conflituosa. Apresenta Deficiência Intelectual, é desassistido, devido a um conflito familiar foi retirado da mesma. Atualmente mora na Instituição S. A. M. P. de  R. é relativamente carente e  tímido, demonstra nervoso excessivo quando conversa com adulto (balança o corpo de modo amplo e  balança as pernas e pés)  e não olha para o rosto falante. Apresenta dificuldades de auto-regulação (não cumpri regras e limites). Desde seu inicio nesta U.E. R. demonstra agressividade em situações de conflito; usa meios físicos para alcançar o que deseja com os alunos e profissionais da escola, quando contrariado ofende as pessoas envolvidas.  Ainda não desenvolveu habilidades para convívio no ambiente escolar, Apresenta dificuldades em se adaptar ao novo, relacionar-se  com o grupo e lidar com o fracasso.

PROPOSTA DE ESTRATÉGIA DE ENSINO COLABORATIVO - AEE-2ºSEMESTRE 2013

O apoio oferecido ao aluno está organizado da seguinte forma:
  • Sala de Recursos Multifuncional: duas vezes por semana, às terças-feiras das 10h20 às 11h20 e quintas-feiras  das 9h00 as 10h00.
  • Orientação para os professores em HTPC  e Equipe escolar

 SUGESTÕES PARA AS ORIENTAÇÕES- PROFESSOR DA SALA REGULAR
  • Localizar o aluno próximo a lousa;
  • Utilização de Letra caixa alta do professor e alunos (para melhor visualização das unidades gráficas;
  • Utilização de giz  amarelo/laranja e os que possuem contraste;
  • Uso do lápis jumbo pelo aluno;
  • Adaptações nas atividades.
  • Delimitação do conteúdo. Ex: Foco nas intervenções de organização de pensamento e motricidade;
  • Instrução de atividade passo a passo;
  • Redução da quantidade de atividades;
  • Uso de leituras com apoio em figuras. Ex. Fichas de leitura.

PROPOSTA DO  TRABALHO – AEE -2ºSEMESTRE 2013

O critério utilizado para inserir Rafael na  Sala de A.E.E  foi a formação da  turma  com alunos  menores e com maiores comprometimentos no  nível de desenvolvimento e com utilização de  Recursos de Tecnologia Assistiva


Metas e Objetivos Específicos

Habilidade Sociais :
  • Comportamento de modo geral
  • Auto-regulação


Comunicação oral:
  • Manifestação de  ideias e opiniões a partir do que foi ouvido;
  • Aprender a ouvir com atenção em variadas situações em sala de aula;


Leitura:
  • Ler textos de diferentes gêneros (contos, parlendas, cantigas, receitas, entre outros) de acordo com sua hipótese de escrita.
Escrita:
  • Utilizara escrita  como forma de registro e de acordo com o meio de comunicação..

Ações/Metodologia:

  • Leituras compartilhadas diariamente de diferentes tipos de textos (contos, parlendas, cantigas, listas, receitas, notícias, entre outros) pelo professor e pelo aluno
  • Músicas
  • Atividades individuais  e coletivas
  • Jogos diversos
  • Dramatização


Recursos Tecnológicos de informática.
  •  As atividades serão estruturadas, com  recursos tecnológicos de informática como: uso do Software Audacity, Editor e Gravador de Áudio Livre. Os alunos da sala  irão com ajuda da professora da sala regular e da professorar do AEE  transformar livros à tinta em áudio-livro que serão  utilizados pelos mesmos com sintetizador de voz.
Avaliação

  •  A avaliação será continua nos aspectos cognitivos, emocionais e sociais. Os instrumentos utilizados para a avaliação serão os registros do aluno e um portifólio. 


PROPOSTA  DO TRABALHO COM O GRUPO DE ALUNOS– SALA REGULAR - 2013

Metodologia:
A professora do AEE realizou junto com a professora da sala de aula uma entrevista com a turma para levantar entre os alunos indicadores de solidariedade e alunos a estarem disposto de modo geral  para o trabalho colaborativo. A aplicação da entrevista ocorreu devida  alunos e ou familiar sentirem-se prejudicados, como também o professor da sala, manifestar queixas neste aspectos. Os recursos tecnológicos de informática como Software Audacity, Editor e Gravador de Áudio Livre serão motivadores.

AÇÕES:

  • Flexibilizar a aula com disposição para alterar a rotina: reorganizando os horários para incluir períodos de aprendizagem colaborativa, com projetos interessantes e específicos, assegurar que o aluno NEE, juntamente com os alunos destacados nos indicadores, para o ensino colaborativo interaja a modo de enriquecê-lo.
  • Utilização de Material Adaptado, Tecnologia Assistiva, Materiais da Biblioteca, Materiais pedagógicos e  outros, de modo que seja e útil para a compreensão do conteúdo  escolar mais depressa, como um desafio a mais em momentos de atividades em grupo ou dupla.
  • Jogos comercializados, cuidadosamente selecionados, destinado a incentivar o aluno a treinar habilidades de observação e planejamento, com ajuda dos colaboradores.

A ESCOLA INCLUSIVA E SEU PROJETO PEDAGÓGICO





O Projeto Político Pedagógico deve abordar, explicitamente, a temática da Inclusão Escolar, dizer a respeito ao acesso e aprendizagem de todos os alunos, independente de quaisquer características, realizamos  observações  em questão dos alunos com alguma deficiência são mencionados e se vem ocorrendo à inclusão nas escolas. Se a inclusão  está explicita, refletimos sobre  esta temática no documento e no dia a dia da escola.

A escola observada  é de ensino municipal de SP e esta situada na periferia e  faz parte de um bairro carente e com muitas dificuldades, todas as  ações da escola há ética, com  direcionamento  do trabalho voltado  ao aluno. O prédio conta com espaço físico acessível: rampa, elevadores, banheiros adaptados, placas de indicação em Braille, móveis adaptados,  sala de leitura, laboratório, sala de informática com Tecnologia assistiva e livros acessíveis, jogos pedagógicos  etc. 
Dos  recursos humanos conta com uma professora especialista, uma auxiliar da vida escolar e estagiarias do CEFAI (Centro de formação e apoio à inclusão). Os serviços prestados pelos funcionários da escola aos alunos são de boa qualidade. Os participam de capacitações oferecidas pela Prefeitura Municipal de SP, são comprometidos com seu trabalho e participam com interesse e criatividade dos eventos promovidos em prol a Inclusão e a Diversidade Cultural.  Muitos dos alunos  que não vivem com os próprios pais, alguns somente com o pai ou  mãe, ou mesmo com aos avós em virtude da separação dos mesmos. A U.E atende um numero significativo de alunos com necessidades educacionais especiais, sendo que alguns alunos são acompanhados pelas mães ou pelas estagiárias como citado acima.

 DIAGNÓSTICOS DAS NECESSIDADES ESPECIAIS

MODALIDADE
QUANTIDADES

Ensino Fundamental I
 13



Ensino Fundamental II
19



DEFICIÊNCIA

Deficiência Intelectual
 17

Deficiência Física
6

Deficiência Visual
4

Deficiência auditiva
3

TGD
2


Nesta escola a Inclusão está explicita no Projeto Político Pedagógico e em seu  dia a dia e na sua dinâmica. Uma escola inserida numa comunidade  carente onde os alunos não possuem Famílias funcionais, são famílias com baixa instrução e baixa renda. Nossa problemática é que grande parte dos pais vê a escola como uma extensão do lar e cobram da escola uma postura que deveria ser deles, Principalmente como os alunos com deficiência (cobram cadeiras de rodas, fraldas, terapias, tec...). Por  tratar de  uma clientela bastante diversificada tendo como fator agravante na família a dependência de álcool e de drogas, gerado pelo atual problema do desemprego, dos baixos salários e das moradias precárias. Mesmo com estes agravantes a família se mostra presente e participativa em reuniões e eventos realizados na escola.












Teste de concepções Inclusivas




Questões
Concordo plenamente
Concordo parcialmente
Não concordo nem discordo
Discordo parcialmente
Discordo plenamente
Não sei responder
Uma escola inclusiva é aquela que atende alunos com deficiência






Na minha formação aprendi algum conhecimento sobre a escolarização de aluno com deficiência






Todos os professores estão preparados para ensinar todos os alunos.






O Projeto político Pedagógico de sua escola contempla uma cultura inclusiva – aparece algum item sobre o aluno com deficiência






Minha prática pedagógica prevê adaptações curriculares para alunos com deficiência






Utilizo de diferentes metodologias para atender todos os alunos






Todos os alunos independentes da deficiência devem estudar na classe comum.






A relação escola-família em minha escola ocorre conforme a legislação






Conheço a Legislação da Educação Especial na perspectiva da Educação Inclusiva






O ensino colaborativo é desenvolvido na minha escola






A parceria entre educação especial e comum acontece na minha escola






O maior desafio da educação inclusiva é a falta de formação inicial sobre o tema






A ausência de participação da família é um entrave para a educação inclusiva






As mudanças para a educação inclusiva são de ordem administrativa, política e pedagógica.






As atividades para os alunos com deficiência devem ser diferentes do conteúdo da classe comum






Para ensinar alunos com deficiência sempre é necessário outra metodologia






Sei perceber indicativos de altas habilidades/superdotaçao






Sinto-me seguro para trabalhar com aluno com deficiência







Postagem em destaque

CURSO: ESTÍMULO NA SALA DE AULA

Curso de extensão universitária. 100 horas 3 x de 135 reais Tema: O estímulo na sala de aula Ligue: 11 999659448 FONTE:  http://ww...